Avaliação de competências: o que é e como implementar na sua IES | D2L Brasil
IE Not suppported

Sorry, but Internet Explorer is no longer supported.

For the best D2L.com experience, it's important to use a modern browser.

To view the D2L.com website, please download another browser such as Google Chrome or Mozilla Firefox.

Avaliação de competências: o que é, benefícios e como implementar na sua instituição de ensino superior

  • 4 min para ler

Entenda o que é a avaliação de competências, benefícios dessa iniciativa e como ela pode ser implementada em instituições do ensino superior.

A avaliação de competências é uma iniciativa que tem como objetivo analisar a performance de uma determinada pessoa por meio das habilidades que já possui e, com isso, promover novas possibilidades de aprendizagem e, até mesmo, potencializar as competências já existentes.

Esse processo é constantemente implementado no mercado de trabalho, com o objetivo de não apenas melhorar os fluxos de capacitação, mas também de aumentar a performance dos colaboradores.

Por meio de fatores como conhecimentos, habilidade e atitudes, a avaliação de competências permite acompanhar o desenvolvimento dos funcionários de maneira estratégica, viabilizando uma análise holística, que reúne tanto conceitos de hard skills (competências técnicas) quanto soft skills (habilidades socioemocionais).

No entanto, você sabia que também é possível aplicar esses conceitos no ensino superior? Sim! O mundo acadêmico está cada vez mais inovador, visando se adequar não somente às necessidades do mercado de trabalho, como também atender o novo perfil de aluno, representado por um estudante mais flexível, ávido e dinâmico.

No ensino superior, essa iniciativa é implementada por meio da Educação Baseada em Competências (EBC), uma metodologia ativa que adequa o fluxo de aprendizagem às necessidades de cada aluno e os conhecimentos já aprendidos.

O que isso significa? Com a Educação Baseada em Competências, os estudantes não ficam presos às cargas horárias. Pelo contrário, o tempo de aprendizagem depende exclusivamente do aluno, conforme suas facilidades ou dificuldades.

Entretanto, embora seja uma iniciativa que tem ganhado espaço, muitos gestores educacionais possuem dificuldades de realizar a avaliação de competências no ensino superior. Diante disso, veja abaixo quais são os benefícios que essa iniciativa pode promover e como implementá-la.

Você pode se interessar: Inovação na educação: usando rubricas para oferecer melhores feedbacks aos alunos

Quais são os benefícios da iniciativa?

Ao realizar a avaliação de competências, uma instituição de ensino superior consegue atingir uma série de resultados, como:

  • Mapeamento mais completo do perfil do aluno;
  • Melhorias nas habilidades socioemocionais (como criatividade e flexibilidade);
  • Autonomia nos processos de aprendizagem;
  • Mais liberdade em relação às disciplinas dispostas no currículo acadêmico;
  • Melhor preparação dos alunos para o mercado de trabalho;
  • Processo de ensino baseado na aprendizagem e não no tempo de estudos;
  • Mais engajamento dos estudantes;
  • Aumento das taxas de retenção de matrículas.

Essas vantagens são ainda mais expressivas quando levamos em consideração as lacunas de habilidades crescente nas empresas. O mercado demanda por profissionais preparados, caso contrário, as consequências podem ser bastantes expressivas.

Para se ter uma ideia, um relatório da Accenture prevê que os países do G20 podem perder US$ 11 trilhões em crescimento do PIB caso não consigam suprir essas competências.

Veja também: Compliance Educacional: entenda o que é e a sua importância para IES

Como implementar esse processo na sua instituição de ensino superior?

Para aderir a avaliação de competências e tornar o seu processo de ensino e aprendizagem mais dinâmico, efetivo e atraente, algumas iniciativas são cruciais, como:

Criar um planejamento educacional direcionado ao aluno

O primeiro passo é compreender que o Ensino Baseado em Competências diferencia-se do ensino tradicional porque trata-se de um processo pautado, única e exclusivamente, no aluno.

Por isso, o primeiro passo é criar um planejamento educacional em que o aluno seja o foco principal. Para tal, avalie o que os seus estudantes já sabem e planeje uma trilha de aprendizagem que se adeque à essa realidade.

Nesse cenário, é preciso propor também um processo independente, em que os estudantes consigam avançar pelos temas ou disciplinas propostos com facilidade e de modo assertivo.

Outro ponto crucial para que o EBC seja uma realidade é por meio da promoção de um ambiente transparente, em que o aluno tenha não apenas acesso a todas as informações que precisa, mas também possua um canal de comunicação efetivo com os docentes.

Definir indicadores de desempenho

Em seguida, é preciso definir indicadores de desempenho que devem ser avaliados constantemente pelos professores.

Na educação, algumas métricas são clássicas e devem fazer parte de qualquer metodologia, como qualidade do atendimento oferecido, taxa de evasão e outros.

No entanto, é possível também aderir alguns indicadores mais estratégicos, como: engajamento dos alunos, desempenho técnico dos estudantes, performance do corpo docente, aceitação das ferramentas utilizadas e feedbacks dos próprios matriculados.

Preparar os professores

Não é possível adotar a avaliação de competências sem que os professores estejam preparados. Sabemos que a pandemia acelerou muitas das mudanças que já estavam acontecendo na educação, porém, para que sejam efetivas, é preciso incluir todo o time.

Por essa razão, crie processos de treinamentos para os docentes, tanto em relação às novas metodologias implementadas, quanto acerca das tecnologias adotadas e novos protocolos da sua instituição (especialmente no cenário de retomada e expansão do ensino híbrido).

Apresente para o seu time também todo o planejamento educacional e envolva ativamente os professores nesta construção, valorizando o desenvolvimento constante de todo o corpo docente e abrindo espaço para ideias, discussões e compartilhamento.

Usar a tecnologia

Por fim, é ideal adotar sistemas robustos para auxiliar na hospedagem, distribuição e organização de todos os conteúdos educacionais, assim como facilitar a implementação de metodologias ativas, como a gamificação.

A tecnologia digital na educação não somente simplifica o processo de aprendizado do aluno, mas também auxilia as instituições na sustentabilidade do ensino a distância e adoção da educação híbrida.

Leia mais no nosso E-book: Avaliação na educação baseada em competências

Conte com a Plataforma Brightspace!

Como visto, a avaliação de competências não é um processo simples de adotar e depende diretamente de um planejamento adequado e ferramentas robustas, como a Brightspace.

Desenvolvida pela D2L, a Plataforma Brightspace consiste em um sistema de gestão da aprendizagem completo. Contando com um design intuitivo, a plataforma possui fácil adaptabilidade entre os alunos e professores, assim como oferece um layout totalmente responsivo.

Além disso, a Plataforma Brightspace possui alta personalização, se adequando às necessidades da sua instituição de ensino, e permite também a implementação da aprendizagem ativa.

Por fim, a Brightspace conta com ferramentas de gestão inteligentes e completas, que simplificam o acompanhamento do aluno e tornam todo o gerenciamento educacional mais assertivo.

Quer saber mais? Acesse agora mesmo e solicite uma demonstração gratuita!

Fique por dentro Inscreva-Se

Cadastre-se já

Por favor, preencha o campo obrigatório.
O número de telefone deve ser um número válido.

Obrigado por se inscrever!

Inscreva-se no nosso blog

Receba as últimas notícias e dicas de especialistas para ajudar você a aproveitar ao máximo sua plataforma de aprendizagem.

Cadastrar