Aprendizagem online: como minimizar os impactos da pandemia na saúde mental de alunos? | D2L Brasil
IE Not suppported

Sorry, but Internet Explorer is no longer supported.

For the best D2L.com experience, it's important to use a modern browser.

To view the D2L.com website, please download another browser such as Google Chrome or Mozilla Firefox.

Aprendizagem online: como minimizar os impactos da pandemia na saúde mental de alunos e professores?

  • 5 min para ler

Entenda como as instituições de ensino podem apoiar os alunos e professores na aprendizagem online em termos de saúde mental.

Com o crescimento da aprendizagem online durante a pandemia, alunos e professores foram desafiados a embarcarem em um mundo, até então, pouco explorado: o ensino a distância.

Nesse aspecto, não apenas as instituições mudaram drasticamente, mas também a abordagem do ensino, isso porque tudo aquilo que era vivenciado, metrificado e explorado no presencial foi transferido para o virtual.

No entanto, a adaptação ao EAD não é a única dificuldade que os docentes e estudantes têm enfrentado durante a pandemia.

A insegurança em relação ao momento atual e o futuro, as perdas de amigos e familiares, o medo, a pressão, a solidão provocada pelo isolamento social e as adversidades financeiras causadas pela crise vêm afetando a saúde mental e emocional de toda a sociedade.

Para se ter uma ideia, segundo uma pesquisa da Fundação Lemann, 94% das crianças e adolescentes tiveram uma mudança de comportamento durante a pandemia de acordo com a visão dos pais e responsáveis.

Esse estudo nos revela que 44% desses jovens se sentiram mais tristes desde o começo da crise sanitária, enquanto 38% apresentaram um maior nível de medo, 34% perderam o interesse pelos estudos e 55% ganharam peso.

Além disso, 48% dessas crianças e adolescentes ficaram mais agitados, enquanto 51% começaram a dormir em um período maior.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Juventudes e a Pandemia, 58% dos responsáveis acreditam que os adolescentes terão problemas emocionais futuros por causa do isolamento.

Por outro lado, o momento atual também vem afetando a saúde psicológica dos professores. Segundo uma pesquisa da Nova Escola, 72% dos docentes classificaram a sua saúde mental como regular, ruim ou péssima.

Em todo esse cenário, é possível que as instituições de ensino consigam atuar ativamente para minimizar os impactos da pandemia no emocional de professores e alunos? Se essa é uma dúvida que passou pela sua cabeça, já adiantamos: sim, é possível!

Você pode se interessar: A Universidade do Futuro: o que é a educação orientada por dados e como implementar?

Como minimizar os impactos da pandemia na saúde mental de alunos e professores?

Dentre as principais ações que podem auxiliar na saúde mental de alunos e professores dentro das instituições de ensino, estão:

Humanize o contato com os alunos e professores

O primeiro ponto é humanizar o contato com os estudantes e docentes. O que isso significa? Dentro de uma instituição, não há apenas professores e alunos, mas sim seres humanos com dificuldades e desafios que, muitas vezes, estão além da própria escola e universidade.

Nesse sentido, os gestores educacionais precisam tornar o contato com esses agentes da instituição mais próximo, empático, humanizado e respeitoso.

Esse cuidado torna todo o espaço mais acolhedor e, até mesmo, facilita a identificação de dificuldades emocionais e psicológicas. Além disso, em um ambiente mais saudável, professores e alunos também se sentirão mais à vontade para reportar situações e buscar ajuda.

Ofereça capacitação para os professores

Caso um aluno tenha crise de ansiedade na instituição, os seus professores sabem como lidar? Ou, ainda, os seus docentes sabem lidar com possíveis falas negativas e depreciativas dos estudantes?

Aliás, os seus educadores possuem informações acerca das doenças mentais, protocolos internos, possibilidades de ajudar os alunos? E se algo ocorrer com os próprios docentes, eles sabem como podem reportar e, até mesmo, ajudar uns aos outros?

Se a sua resposta for “não” para uma ou mais dessas perguntas, isso significa que a sua instituição precisa reforçar a capacitação dos professores em termos de saúde mental. Atualmente, a aprendizagem online permite criar cursos rápidos pela própria plataforma LMS.

Com isso, você pode preparar conteúdos simples e informativos sobre o tema, de modo a orientar todo o corpo docente para ajudá-los a lidar não somente com as próprias emoções, mas também com as dos alunos.

Mais vistos: Aprendizagem virtual: por que este é um bom momento para explorar os cursos online?

Prepare materiais informativos sobre saúde mental e meios de procurar ajuda

Segundo a pesquisa supracitada da Juventudes e a Pandemia, 6 a cada 10 jovens desejam que as escolas e faculdades priorizem atividades para lidar com as emoções.

Ou seja, os seus alunos já esperam que a sua instituição seja mais intrusiva e transparente quando o assunto é saúde mental.

Por essa razão, prepare materiais informativos a respeito do tema, inclusive tirando dúvidas sobre os diferentes tipos de doenças psicossomáticas (como Ansiedade, Transtorno Bipolar, Transtorno Borderline, Burnout, Depressão e outros).

Ofereça mecanismos para que essas pessoas consigam buscar ajuda. Atualmente, há não apenas diversas ONGs e as próprias universidades que oferecem atendimento psicológico gratuito à população, mas também iniciativas do governo, como o CVV e o Capes.

Estimule o bem-estar emocional e físico dos alunos e professores

Por fim, embora o mês de setembro estimule a comunicação e informação sobre doenças mentais, é preciso que esse assunto seja levantado e discutido nas instituições de ensino durante todo o ano.

Por essa razão, valorize o bem-estar emocional e físico dos seus alunos e professores. É possível criar, por exemplo, um projeto prático que envolva a participação de todos, como alguns seminários, festivais, palestras e outros eventos.

Mesmo que, no momento atual, infelizmente, esses encontros tenham que ser realizados no mundo online, é uma oportunidade para aliviar a tensão e reforçar o contato uns com os outros, sem deixar de lado o teor educacional.

Além disso, pode-se criar grupos de apoio e fóruns em que os estudantes consigam compartilhar informações, dúvidas, experiências e dicas, abrindo um espaço saudável de ajuda e empatia.

Leia também: Reimaginando a experiência de aprendizagem no ensino superior

A D2L está atuando ativamente na aprendizagem online para construir um futuro melhor!

Sabemos que a ascensão da aprendizagem online no momento atual trouxe desafios profundos em termos de saúde mental. Porém, acreditamos que é possível auxiliar professores e alunos neste período.

Nesse sentido, a D2L permite que as instituições de ensino criem mecanismos de apoio no mundo online por meio da Plataforma Brightspace.

O sistema de gestão de aprendizagem viabiliza a elaboração de pequenas disciplinas e projetos, assim como a distribuição de materiais extras.

Com essas funcionalidades, as instituições podem reforçar a comunicação relacionada à saúde mental, mesmo durante a aprendizagem online.

Acreditamos que aspectos como informação, saúde mental e física, acessibilidade, diversidade e inclusão são cruciais para a construção de um futuro educacional muito melhor do que temos hoje e todos nós fazemos parte disso.

Se você quiser conhecer um pouco mais sobre a D2L, acesse agora mesmo e converse conosco.

Fique por dentro Inscreva-Se

Cadastre-se já

Por favor, preencha o campo obrigatório.
O número de telefone deve ser um número válido.

Obrigado por se inscrever!

Inscreva-se no nosso blog

Receba as últimas notícias e dicas de especialistas para ajudar você a aproveitar ao máximo sua plataforma de aprendizagem.

Cadastrar