De ferramenta única à implementação completa: a jornada da Aliat com a Brighstpace.

  • 4 min para ler

Publicamos hoje o primeiro estudo de caso de uma série em que analisaremos diferentes momentos da implementação de um LMS em instituições educativas.

Nessa primeira parte da série, falaremos sobre a Aliat, uma rede de universidades com presença em 18 estados do México que conta com 4.000 professores e 44.000 alunos em diversos programas de graduação, cursos técnicos e pós-graduação.

Em um primeiro momento, a organização adotou apenas a ferramenta Brightspace LeaP com o objetivo de personalizar a aprendizagem de cada aluno e melhorar a qualidade de suas ofertas acadêmicas. Posteriormente, devido a seus planos de expansão, a Aliat decidiu trocar seu LMS para a versão completa da plataforma Brightspace, ampliando os benefícios da implementação.

Outro dos fatores que mais contribuíram para essa decisão foi a melhoria contínua implementada na plataforma: para a Aliat, era muito importante saber que tinham à sua disposição uma plataforma que não ficaria para trás e que estaria em constante atualização.

Entre os desafios da implementação estavam a grande quantidade de alunos, de diferentes perfis, e o fato de que muitos deles têm acesso limitado a tecnologia. Portanto, era importante também garantir que as estratégias off-line funcionassem. Nesse sentido, a colaboração entre a equipe da D2L e da Aliat foi fundamental para entender as necessidades e as características culturais e de infraestrutura da instituição.

Atualmente, o novo ambiente tecnológico da Aliat se encontra em fase piloto devido à migração do LMS. Sem dúvida, a estrutura de modelos de aprendizagem e de criação de conteúdos oferecidos pela rede Aliat garantirá uma transição mais tranquila. Embora os resultados ainda sejam parciais, a organização já pode observar melhoras nas experiências dos alunos.

O melhor é que a Aliat pode aprender na prática sobre as melhores práticas para a mudança de um LMS e agora tem conselhos para compartilhar com outras instituições.

Para saber mais, acesse o estudo de caso completo aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comment Submitted

Thank you for your comment